Pular para o conteúdo principal

A AUTO ESCOLA E UMA NOVA EXPECTATIVA PARA O MERCADO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS



Penso, CNH. Logo autoescola.

Pensar em Carteira Nacional de Habilitação é pensar em autoescola. Nem mesmo o órgão estadual executivo de trânsito é tão lembrado quando o assunto é tirar a CNH. Não há como desassociar a imagem CNH-autoescola/autoescola-CNH.

Apesar de estar registrada a um órgão estadual de trânsito, a autoescola está mais próximo da realidade dos municipios, viva no boca-boca da comunidade.

O Centro de Formação de Condutores - CFC (designado popularmente como autoescola) é uma empresa prestadora de serviços, credenciado junto ao Departamento executivo de trânsito da União - Denatran e registrado pelo Departamento Executivo Estadual de Trânsito - Detran. 

Hoje, quando pensamos em autoescola, não podemos conjecturar um lugar onde pessoas irão "tirar" a Carteira de motorista; não podemos conceber que ali é apenas um lugar de acesso para que pessoas tenham um caminho mais fácil para "ter uma habilitação" e não podemos imaginar que autoescola é mais um meio simples e fácil para conseguir habilitar-se.

O mundo de certa forma muda em todos os seus aspectos, e em se tratando de um mundo coorporativo, organizacional, empresarial ou institucional não é diferente. Também tudo muda.

Tínhamos até pouco tempo atrás (arrisco a dizer que ainda há uma mentalidade assim), de que a autoescola é uma pequena ponte entre a pessoa e o órgão de trânsito. Onde a autoescola fará apenas o papel burocrático, como um agente facilitador.

De certa forma, o CFC faz sim um serviço administrativo e burocrático e de facilitador, mas com uma expectativa de negócio bem feito.

Estamos vivendo dentro de uma nova perspectiva funcional do CFC, onde ele deve apresentar-se a sociedade como uma unidade de ensino - "buscar a caracterização do CFC como uma unidade de ensino" (Res. 358/10 do Contran)

E mais, sendo o Centro de Formação de Condutores uma unidade de ensino é razoável que os  "CFCs devem ter como atividade exclusiva o ensino" (Res. 358/10 do Contran)

Não é novidade e nem precisa discorrer sobre suas instalações e corpo técnico de profissionais que devem ser altamente qualificados para tratarem de assuntos relacionados a uma instituição que presta serviços de caráter público e educacional. (sobre isso falaremos em outra ocasião)

Mas o que ressalto aqui é que: toda autoescola é uma prestadora de serviço e que é regida pelo Código de Defesa do Consumidor  e como dito acima é registrada pelo Detran e credenciada pelo Denatran e que também, segundo o artigo 22 do CDC respondem juntos com o CFC pela prestação do serviço ao consumidor final que é o aluno/ candidato e/ou condutor. 

Art. 22. Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos. 
Parágrafo único. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das obrigações referidas neste artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma prevista neste código. (lei 8.078/1990)

O mercado de prestadores de serviço cresce, mas exige de quem presta o serviço uma eficiência na prestação do serviço.

Sobre o prisma de Prestadora de serviço, o CFC não pode e nem deve olhar o aluno como uma pessoa que foi ali por causa de um acesso "tirar a carteira" e nem imaginar que sua prestação de serviço seja apenas informar ou adequar ou vender CNH para aquela tal pessoa.

O aluno é um cliente, um consumidor exigente do moderno mercado e promissor de empresas que prestam serviços por meio de credenciamento. E o CFC é uma empresa onde tem um serviço delegado pela administração pública para fornecer este serviço aos consumidores e cobrarem por este serviço prestado.

Mas enfim, qual é o serviço prestado pelo Centro de Formação de Condutores?

Primeiro, não podemos falar em Centros de Formação de Condutores quando tratamos do serviço prestado e sim em Centro de Formação de Condutores. Apesar de varios CNPJ par sua abertura individual, a prestação do serviço é um só e recebido de um só órgão e regido por uma só lei.

Veja que o CFC "X" não fornece um serviço diferente do CFC "Y". Todos são prestadores do mesmo tipo de serviço fim que são aulas.

Pois é, autoescolas não vendem carteira, não criam meios, não adequam ou adestram pessoas, e sim vendem um serviço.

Todo Centro de Formação de Condutores vendem o mesmo tipo de serviço que são aulas, seja aula teórica ou prática e se essa prestação não for eficiente, o cliente que hoje é exigente buscará novas entidades para que possam satisfazer suas necessidades com qualidade.

Como prestador de serviços, O CFC precisa zelar pelos seus serviços prestados e se o serviço prestado são aulas, deve o CFC cuidar principalmente de seus recursos humanos. Pois por meio deles que a prestação dos serviços se faz eficaz. 

Para isso precisa o CFC e o órgão de trânsito de registro e de credenciamento ofertar treinamentos e capacitações e os próprios instrutores e diretores trabalharem o autogerenciamento profissional.

Enfim, neste mercado disputadíssimo de prestação de serviço ganha quem melhor disponibiliza o serviço e não somente quem tem o preço mais baixo. Muitos preferem pagar um pouco mais em troca de um serviço de qualidade, higiênico e satisfatório.


Alexandre Basileis é:
Professor, Teólogo, Pedagogo, Escritor, Consultor/analista de Trânsito,  Especialista em Metodologia de Ensino de filosofia e sociologia e Instrutor de Trânsito;

Experiência profissional:
Diretor de Ensino, Diretor Geral, Instrutor de Trânsito, Consultor analista de Trânsito, professor de ética e de ciência da religião;

Palestras:
Legislação de Trânsito, Segurança  e comportamento no Trânsito e educação de trânsito, Direção Preventiva;

Especialidades:
Metodologia de Ensino de Filosofia e Sociologia, Educação Inclusiva e Direto e Educação no Trânsito;

Serviços Prestados:

Consultoria técnica  pedagógica ao Senac /ES; ao Instituto Brasileiro de Estudos do Trânsito - IBETRAN em projetos, pesquisas e sinalização de trânsito; EDUCAR  CURSOS - professor


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ROTATÓRIAS NO EXAME DE PRIMEIRA HABILITAÇÃO

Como fazer? Devo usar a seta pra direita ou esquerda quando entrar na rotatória? E quando circular por ela, aciono a seta pra esquerda ou não precisa? E quando sair da rotatória, aciono a seta pra que lado?
Essas são algumas de muitas dúvidas que  candidatos à Primeira Habilitação e pra vergonha nossa, digo que até  muitos instrutores e claro, que não ficam de fora, muitos examinadores de trânsito que desconhecem as regras de circulação em rotatórias na hora de avaliação e treinamento.
Procurado por alguns candidatos a examinadores, que foram reprovados nas rotatórias, decidi  postar aqui o assunto - rotatória.
Antes de falar especificamente de rotatórias e como realizar bem o movimento nelas, sem violar as regras, vamos falar das Normas de Circulação no que se referem à mudança lateral de direção do veículo. 
          Art. 35. Antes de iniciar qualquer manobra que implique um deslocamento lateral, o condutor deverá indicar seu propósito de forma clara e com a devida antecedência, por me…

QUESTÕES DA PROVA PARA EXAMINADOR DETRAN/ES

FALAREMOS SOBRE ALGUMAS QUESTÕES DO EXAME DO PROCESSO SELETIVO PARA EXAMINADOR DE TRÂNSITO - DETRAN/ES 2014
(Post sugerido por Candidatos a Examinador de Trânsito - Interno e Externo do Detran/ES)
1 – A suspensão do direito de dirigir ocorrerá quando o condutor atingir: A – vinte pontos no prazo de doze meses. B – vinte pontos sem limite de prazo. C – vinte e um pontos sem limites de prazo. D – vinte e um pontos no prazo de doze meses.
Resposta correta é a “A”.
Análise da resposta: Segundo o Código de Trânsito Brasileiro – CTB  no artigo 261 e parágrafo primeiro diz que “Além dos casos previstos em outros artigos deste Código e excetuados aqueles especificados no art. 263, a suspensão do direito de dirigir será aplicada quando o infrator atingir, no período de 12 (doze) meses, a contagem de 20 (vinte) pontos.” E na resolução 182/05 no artigo terceiro e inciso I diz que: “A penalidade de suspensão do direito de dirigir será imposta nos seguintes casos:  “ sempre que o infrator atingir a contage…

UTILIZAR, MANUSEAR OU SEGURAR O CELULAR? QUAL A DIFERENÇA?

QUAIS AS CONSEQUENCIAIS LEGAIS DIANTE DO CÓDIGO DE TRÂNSITO?
Para inicio de conversa, dirigir conversando pelo celular é infração de trânsito. Agora, se você pratica algumas dessas ações abaixo, corre um grande risco de ser autuado. Vejamos:
MANUSEAR  O CELULAR
SEGURAR O CELULAR
UTILIZAR (FALAR) AO CELULAR

Diante da Lei 13.281/06, que foi publicada no dia 05/05/2016 do Diário oficial da União  e que entrou em vigor dentro de 180 dias a partir da data de sua publicação, isto é, desde de 01/11/2016, tem causado conflito até mesmo na hora da autuação. Pois, a lei, incluiu o parágrafo único no artigo 252 do CTB.
A questão que se levanta é: Será infração gravíssima falar ao celular ao conduzir veículo automotor?
Vejamos os termos da referida lei.
O artigo 252 tem como redação em caput o seguinte:
Art. 252. Dirigir o veículo: 
em seguidas há alguns incisos 
I - ...;    II - ...;    III - ...;    IV - ...; 
  V - com apenas uma das mãos, exceto quando deva fazer sinais regulamentares de braço, mudar a ma…