quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

DIRIGIR X ÁLCOOL

Segundo a enquete realizada pelo blog do professor Alexandre Basileis quase 66 % das pessoas votaram que beber e dirigir aumenta o índice de acidentes de trânsito.

Um dos que responderam a enquete, Marcos Antonio Machado, leitor do blog, comentou que: Quem bebe jamais pode dirigir, e quem o faz deve perder a a habilitação definitivamente, pois geralmente os prejudicados são pessoas inocentes que pagam na maioria das vezes com a vida, quem comete tal ato deve ser tratado como um criminoso comum."

Esse quase 66% não se enganaram, o índice de acidentes envolvendo pessoas que estão embriagadas aumenta a cada dia.

O que ocorre entretanto, é a sensação de impunidade que ocorre nos casos de acidentes fatais, onde geralmente quem sai perdendo e sofre é a família da vítima. 

A nossa cultura, infelizmente cria um ambiente propício a  impunidade, ao desrespeito as leis e a falta de cidadania.

Vivemos numa sociedade individualista, manchada pela espírito de "he-man" (eu tenho a força!) "poder".

Nessa cultura individualista, que está incrustada no comportamento do homem, ao acessar um veículo ele pensa que o trânsito foi feito só pra ele, que as vias é dele, que ele não precisa compartilhar espaços. Deveres e direitos pra ele não existem. 

Na verdade o homem, por conta dessa cultura, imagina que está em constante guerra por espaço no trânsito, ele não vê o outro motorista como um ser humano que está apenas querendo chegar em algum lugar, ele vê um opositor, um inimigo que quer tomar seu espaço.

A bebida é somente mais uma faísca desse turbilhão de gravetos comportamentais que põe o trânsito sujeito como um lugar totalmente intragável.

Veja resultado da enquete abaixo.


SIM
http://www.enquetes.com.br/img/pixel.gif
http://www.enquetes.com.br/img/pixel.gif
65,63%
NÃO
http://www.enquetes.com.br/img/pixel.gif
http://www.enquetes.com.br/img/pixel.gif
28,13%
DEPENDE DA QUANTIDADE
http://www.enquetes.com.br/img/pixel.gif
http://www.enquetes.com.br/img/pixel.gif
6,25% 


Portanto, não é a bebida o fator vilão e sim o comportamento.